Parceria: Henri Cartier-Bresson.

Blog em Parceria: Henri Cartier-Bresson Visite!

To me, photography is the simultaneous recognition, in a fraction of a second, of the significance of an event.”-Henri Cartier-Bresson

“Qual o mais importante atributo de um ator de sucesso? 1.Talento. 2.Sorte. 3.Resistência”. Segundo Laurence Olivier (1989, p.202 ): Confissões de um Ator – segundo Leonn, (2011).


“O ator emotiva o público! Um ator sem alma, com ofício... É como o Teatro sem o público”, (Lúcio Leonn, 1989).

note-me por email

Páginas

notadores

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

JOGOS dramáticos e teatrais-(conceito: Ação(espaço/tempo)): SUGESTÕES DE ATIVIDADES - via Projeto de Teatro Aplicado

Por PROF.Lúcio José de Azevêdo Lucena(proponente)

Universidade de Brasília(UnB) / Instituto de Arte(IdA)
Licenciatura em Teatro do Programa Pró-licenciatura (UnB/UNIR/MEC)
Módulo - Laboratório de Teatro 1 (Prof. César Lignelli)

Projeto Teatro Aplicado-2009 Fortaleza\CE

(Imagens, maio 2009- Teatro Aplicado/Emeif Herbert de Sousa

OBJETIVO GERAL
Visará trabalhar os pressupostos teóricos/práticos do teatro-educação junto as crianças/alunos da EMEIF HERBERT DE SOUSA, afim de compor avaliações finais e exercitar teoria e praticas implementadas, a partir da disciplina Laboratório de Teatro 1, ofertada pelo curso/Licenciatura em Teatro do Programa Pró-licenciatura/Curso Teatro – Ministério da Educação e Universidade de Brasília(UnB)/Instituto de Arte(IdA).
Por meio de Teatro Aplicado, permitirá respeitar a habilidade real do educando, na promoção de direitos humanos-Criança/adolescentes sujeitos de direitos -, o projeto procura alentar valores e atitudes; a cultura de paz; a busca na incerteza de estimular altas habilidades educacionais; – tem como avaliação: o continuum e cumulativa - a troca do resultado pela atitude de valor, da percepção pessoal e geográfica; do pertencimento de grupo; da escuta/fala/reflexão-Ação entre professor-aluno ou, vice-versa. Não visa formar atores/atrizes profissionais.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS Busca-se-á entretanto, a conexão via Jogos Dramáticos e Teatrais, a partir do conhecimento / da prática / de reflexões em linguagem Teatro; também visa: (multi)inter(trans)disciplinar o currículo da escola. Outro objetivo, implementar aulas de Teatro Aplicado por meio da pedagogia de projetos.

METODOLOGIA
Por meio de jogos dramáticos e teatrais e/ou de exercícios em situações humanas; de temas livres e direcionados pelo uso do corpo-voz-mente;da montagem de peças curtas e de apresentações na escola;há Instrumentais de aplicação: Ficha de Identificação do Aluno(a)/Sondagem. Lista de Freqüência /aula. Ficha de Avaliação de Desempenho em Teatro/professor-aluno(a).

PERÍODO
INÍCIO: 01/JUNHO
TÉRMINO:01/JULHO

HORÁRIO
Será oferecido no período da manhã, (um projeto, de teatro-educação em contraturno). Se efetiva no sistema regular de ensino da Prefeitura Municipal de Fortaleza/secretaria executiva regional V, de forma presencial, de 9:00 às 10h30min, as segundas/quartas e sexta-feiras – sala (Lie/Laboratório de Informática Educativa)-, junto ao projeto pedagógico do professor e Projeto Politico Pedagógico da Escola.

TURNO
Manhã: de 9:00 às 10h30min, as segundas/quartas e sexta-feiras – sala (Lie/Laboratório de Informática Educativa)-

PÚBLICO-ALVO
Alunos(as) regulares de 3ª a 5ª (09 a 12 anos incompletos) série do contraturno(Tarde), da Emeif Herbert de Sousa.
SUGESTÕES DE ATIVIDADES
(JOGOS dramáticos e teatrais-(conceito: Ação(espaço/tempo))

Objetivo: desenvolver o conceito de ação e solucionar problemas (bater palmas, uso do corpo em movimentos do cotidiano /comandos e níveis de movimentos / espaço livre/circular de movimentos etc.), por meio de jogos em grupo.

Jogo/Exercício de Concentração / Aquecimento Corporal e Grupal - Todos em círculo. Define-se quem deve começar e para qual lado. Ao som da palma (dar), individualmente, o participante que comanda olha nos olhos para o participante que está a seu lado. Por meio da visão (simultaneamente, som e olhos). Do participante, que recebeu o comando, observa e recebe (olhadela e som) e,a encaminhar para o Outro a mesma ação e para mais outro em circulo. Segue sucessivamente até que, o facilitador proponha aumentar gradativamente, o ritmo de palmas e a possibilidade de direção da ação e do movimento em conjunto ou de surgir à espontaneidade e fluência do exercício em grupo.

Para que jogá-lo? Estimular a concentração individual/grupal e criar contato e clima de confiança.

Descrição detalhada: Pede-se aos participantes que formem um círculo. Designa-se quem deve começar e qual lado do direcionamento da ação deve começar (lado direito ou esquerdo do participante). No decorrer do jogo, os participantes podem encaminhar de forma indireta suas ações em bater palmas e as ações permanecem em conjunto. O ritmo acelerado, lento sustentado. Procura-se fruir atitudes, de: atenção / concentração / percepção. Elementos do jogo: ação/ritmo/som. Noção de espaço e direção direcionada: direto (esquerda e direita) e indireto(centro/esquerda/direita). Há definição de verbos: dar e receber (bater palmas: som). Utilização de sentidos: visual/auditivo etc.

Jogo de Descobrir Níveis de Movimentos (alto, médio, baixo)- A dividir o espaço em três níveis, em relação à altura do corpo, este pode situar-se num nível alto, médio e baixo. Solicitar aos participantes que façam poses ocupando esses três níveis de movimentos e a passar de um outro através de estímulos musicais ou batidas de palma (comandos): lentos. Rápidos.

Para que jogá-lo? Situar os níveis de movimentos pela fruição corporal dos/nos participantes e, a seguir atenção e criatividade.

Descrição detalhada: Deve-se a princípio, o facilitador, designar/ilustrar e/ou conceituar os níveis de movimentos (alto, médio e baixo). Observar o comando dado pelo facilitador ao passar de um nível de movimento a outro. O executante deve perpassar entre os três níveis através de estímulos.

Jogo/Exercício de Espaço de Movimentos: Todos em círculo. Ao centro, um executante voluntário realiza (cria e faz) varias ações físicas em três níveis de movimento (alto médio e baixo). Enquanto, todos os demais participantes repetem as ações, (recriam, imitam).Ao terminar sua ação em último nível; o executante deve procurar e olhar para uma pessoa escolhida do círculo e encaminhá-la pelo o olhar ao centro de todos. O/a escolhida procede com a mesma ação. Até que todo o grupo seja envolvido pelas ações executadas individuais ou, coletivamente.

Para que jogá-lo? Explorar a criatividade/espontaneidade e a imaginação de movimentos no grupo e contato familiar.

Descrição detalhada: Pede-se aos participantes que formem um círculo. Designa-se quem deve começar. O voluntário vai ao centro realiza (cria e faz) uma ação física. Enquanto, todos os demais observam os participantes repetem (imitam). Podem-se executar tais ações de movimentos extraídos do imaginário do executante etc, preferencialmente, movimentos do dia-a-dia. Deve-se a princípio, designar/ilustrar os níveis de movimentos (alto, médio e baixo). O tempo de movimentos para quem comanda, deve ser moderado, para quem o imite - consiga acompanhar o ritmo das ações. Ao terminar sua ação em último nível; o executante deve procurar e olhar para uma pessoa escolhida do círculo e encaminhá-la pelo o olhar ao centro de todos. O/a escolhida procede com a mesma ação. Até que todo o grupo seja envolvido pelas ações executadas individuais ou, coletivamente. Não se deve procurar repetir a participação de membros no jogo. Todos devem participar, espontaneamente.

Jogo de Espelho Corporal –(imagem, abaixo) Em dupla/frente a frente, um comanda moderadamente, os movimentos em espaços (livre) e a perpassar os três níveis: alto, médio e baixo, enquanto o outro participante, que recebe o comando, reflete em movimentos (imita seus gestos). No decorrer da ação, muda-se de comando e/ou de duplas. O facilitador observa o grupo/as duplas após esclarecer regras e supostas dúvidas ou de evidenciar níveis de movimentos/tempo,etc.



Para que jogá-lo? Desenvolver a atenção/concentração e a criatividade prestada aos gestos de um companheiro e a precisão de seus próprios gestos

Descrição detalhada: Designam-se as duplas. Em seguida, um comandante para os movimentos. É importante executar tais ações de movimentos extraídos do imaginário do executante, preferencialmente, movimentos do dia-a-dia. Deve-se a princípio, designar/ilustrar os níveis de movimentos (alto, médio e baixo). O tempo de movimentos para quem comanda, deve ser moderado, para quem o imite - consiga acompanhar o ritmo das ações. Com o tempo, caso a dupla esteja afinada, o ritmo de ações pode variar de fluência e mudar de participantes mas a permanecer em duplas. Também se for preciso, o facilitador explanar ao grupo, de forma breve, o conceito de níveis de Espaço de Movimentos (pessoal/ parcial/ total e social).

Jogo de Atitudes - A partir de uma posição neutra (confortável, braços ao longo do corpo, etc) de descontração, à qual deve sempre o participante regressar; o grupo terá de reagir aos comandos do facilitador (sob a forma de um a só palavra, ou frase extraída de um jornal, de uma história contada, de um texto (diálogo) teatral, de uma música, ou simplesmente inventada). Os participantes deverão ficar imóveis numa figura/pose coletiva até receber a ordem de voltar à posição neutra. Exemplos de comandos: magia, silêncio, feitiço, espera, brincadeira, música, tempestade, velhice, fome, medo, despertar, vaidade, trecho de uma peça.
Para que jogá-lo? Buscar a reação coletiva e a criatividade em rapidez e de comando.

Descrição detalhada: O grupo terá de reagir aos comandos do facilitador. Os participantes deverão ficar imóveis numa figura/pose coletiva até receber a ordem de voltar à posição neutra.

Jogo - A Compra da Tia - Todos em círculo o facilitador começa: “Minha tia foi à feira e comprou uma maça”. O seguinte diz: “Minha tia foi à feira e comprou uma maça e uma laranja”. O posterior diz: “Minha tia foi à feira e comprou uma maça, uma laranja e um caju.”. Assim, sucessivamente, até que um dos participantes possa esquecer ou alterar a seqüência, caso em que começar tudo de novo ou sairá do círculo.

Para que jogá-lo? Estimular o raciocínio em expressar a criatividade, o vocabulário e a atenção com rapidez.

Descrição detalhada: o Facilitador junto ao grupo decide se a compra da tia à feira deverá ser objetos, frutas, animais etc. Observar a sequencia lógica dada pelos participantes no jogo. Pode-se estimular um tempo (segundos) em resposta. Fica a disposição do facilitador ou do grupo, caso haja alteração de sequencia, a saída do participante ou permanência, bem como “pagar uma prenda” no final.

AVALIAÇÃO ENSINO/APRENDIZAGEM-JOGOS

-(É, avaliação contínua e cumulativa).

Há roda de conversa - (após realização de atividades, Sala LIE/Projeto) - sempre, se estabelece a mediação em prol de sujeitos proativos.

Professor Teatro Aplicado – educandos
Educandos – professor de Teatro Aplicado
Educandos – educandos.

No entanto, no decorrer do PROJETO ou aulas, poderão surgir outros meios em processos avaliativos. Como também, nos encontros pedagógicos da escola e de reuniões do conselho escolar; torna-se-ão possibilidades de espaços discursivos e de projeção avaliativa.

Fortaleza-Ce, 25 de maio de 2009.

Bibliografia
Laban, Rudolf Von. “Domínio do Movimento” –Ed Summus (Edição organizada por Lisa Ullmann):1978.

Fritzen, José Silvino. “Jogos Dirigidos: para grupos, recreação e aulas de educação física” - 10ª edição. Editora Vozes- Petrópolis: 1987.

Lascar, Serge e Gérard Faure. O Jogo Dramático na Escola Primária” – 2ª edição. Temas Pedagógicos. Editorial Estampa (Tradução de Manuel Ruas): 2000.
Reverbel, Olga. “Um Caminho do Teatro na Escola”. Editora Scipione. São Paulo: 1989.
SPOLIN, Viola. Improvisação para o teatro / Viola Spolin; [tradução e revisão Ingrid Koudela e Eduardo José de Almeida Amos]. - São Paulo: Perspectiva, 2006. - (Estudos; 62 / dirigida por J. Guinsburg.), 349p
Periódicos
Arquivo pessoal, adaptação em jogos e experiência do ator e arte-educador Lúcio Leonn.

**************************
Vide
Subcapítulo “Breve estudo de Jogos Teatrais, segundo Viola Spolin e, a partir da fundamentação comparativa e\ou colaborativa de demais pensadores (Brito, Koudela, Leenhard, Lignelli; Lucena, Santos, Slade)”. Disponível em: http://notasdator.blogspot.com.br/2013/07/subcapitulo-breve-estudo-dejogos.html



****


Minhas Explicitações para caminhos do facilitador em jogos teatrais (abril, 2009)


Por PROF.Lúcio José de Azevêdo Lucena(proponente)

-.Saber diferenciar jogos teatrais, de dramáticos; bem como suas características de efetivação.

-.O facilitador deve propor e conduzir os jogos, sempre agindo como um guia para o grupo. Como também, ter nítido quanto ao foco/objetivo de proposição em jogo/ambiente.

-.Ele deve procurar compreender as finalidades dos jogos teatrais em educação formal e não-formal, como, promover a inclusão, de: autonomia do sujeito; do desenvolvimento cultural em possibilidade lúdica; da ética; do engajamento; perceber a sua função social. Também, abordar de forma pragmática via jogos sua eficácia.

-.Do valor dos jogos - quando depende de como é aplicado e/ou conduzido (por Ele), em situação improvisacional ou de maneira lúdica.

-.O mediador deve entender que os jogos teatrais procuram proporcionar em quem joga/aplica, princípios relevantes, de: atuação/direção. Ação/ reação. E, possibilidades de efetivar via linguagem cênica em noção de tempo, espaço e ação.

-.De entender e diagnosticar os participantes em tática e de procedimentos em jogos, para seguir futuramente, com uma possível intervenção pedagógica.

-.Desenvolver de forma eficaz - os jogos - pela organização e facilitação em ambiência.

-.Procurar se indagar. Quem sou eu? Que lugar ocupa perante este grupo ou instituição? E, para responder tais questões, deverá levar em conta as características do grupo, da instituição e da mediação; como também, das seguintes condições: socioeconômicas / faixas etárias / gênero / sexualidade / religião / valores.

-.Gerenciar sempre que possível o mapeamento do grupo.

****

Um comentário:

Razek Seravhat disse...

Muito interessante esse jogo do espelho.